Nome comum: Peroba-rosa
Sinônimos:
peroba-amargosa, peroba-rajada, peroba-açu, peroba-comum, peroba-do-rio, peroba-mirim, peroba-paulista, peroba-miúda.
Família: Apocynaceae
Nome científico: Aspidosperma polyneuron
Descrição:

Árvore de grande porte, do estrato dominante da floresta estacional semidecidual, apresenta características de estágios sucessionais finais, como crescimento muito lento e tolerância à sombra, regenerando-se abundantemente sob o dossel. Espécie oerenifólia, resistente a geadas, ocorre em solos profundos, férteis e bem drenados. Tronco e ramos de casca acinzentada, com tecido protetor, de espessura variável (súber) e profundamente sulcada longitudinalmente. Ramos e folhas com látex branco. Folhas simples, alternas, obovadas a elíptico-oblongas, brilhantes na face superior, nervura central saliente e nervuras secundárias e terciárias proeminentes em ambas as faces, 5-14 cm de comprimento. Flores pequenas e brancas. Fruto folículo, castanho, oblongo a obovado, com lenticelas, seco, deiscente, com cerca de 4 cm de comprimento. Sementes de asa membranácea e parda.

Seu tronco pode chegar a 60-90 cm de diâmetro e entre 20 a 30 m de altura, tendo com ocorrência toda a bacia do alto Paraná, abrangendo os estados de Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, São Paulo e Paraná, também no vale do Rio Doce no Espírito Santo e no sul da Bahia.

Inicia a reprodução por volta de 20 a 30 anos de idade. Floresce nos meses de abril e maio e a manutenção dos frutos ocorre de julho a setembro, sendo as sementes dispersas naturalmente pelo vento.

Os frutos, com coloração marrom-clara quando maduros, devem ser colhidos diretamente da árvore, antes da abertura natural, e secos ao sol. As sementes devem ser recolhidas imediatamente após a liberação espontânea dos frutos. Um quilograma contém 11.000 e 14.000 sementes, que mantêm o poder germinativo por até dois anos, se armazenadas em ambiente frio (5ºC).

A árvore é ornamental, podendo ser usada no paisagismo em geral. Também não deve faltar nos reflorestamentos mistos destinados à recomposição de áreas degradadas de preservação permanente.

Fotografias: